quarta-feira, 31 de agosto de 2016

Gente não deixa Marcas; deixa Cicatrizes.

Ali de frente pra este Mar que ousa chamar de seu, caminhando vai deixando suas Marcas na linha das ondas na areia.
As Marcas de suas pisadas ficam ali até serem apagadas pela onda mais forte, mais audaz. 
Segue deixando uma nova linha pra  outros deixarem suas Marcas também...
Sente-se assim hoje, como essas pegadas sendo apagadas pelo ir e vir das ondas. 
Não consegue sentir que suas Marcas fiquem cravadas em um Outro como afeto pelo menos.
Aliás, nem consegue deixar Marcas, é como se não fizesse parte da vida em momento nenhum, 
 como se fosse tudo até ali só fantasia.
Nunca entenderá as pessoas que passam na sua vida, afinal elas  não são areia da praia.
Será que nunca vai entender que pessoas não deixam Marcas? Pessoas deixam cicatrizes eternas.
Pessoas são bens e precisam de pessoas, mas também precisam de atos que confirmem  tudo dito e vivido.
Distância a alma supera. Já a  indiferença a alma absorve.
Nesse ponto do pensamento o Mar chega a seus pés, ali sentada se  permite ser alcançada pela água, não naquele momento.
Este Mar quase seu dono, não pede consentimento, ele vem.
Mas gente pra amar e ser amado se sente mal pedindo, por favor, e com licença posso entrar?
As ondas apagam as Marcas de seus pés porque tem a força e a permissão da natureza para tal.
Já o Seres Hu-Manos; não! Esses simulam deixar suas impressões uns nos outros tal qual um falso perfume:  suave bom de sentir, mas muito difícil de manter na pele depois, sai fácil...
 Algo traduzido perto de indiferença... isso dói.
Ainda assim vai seguir sua caminhada deixando suas marcas na areia, quando da próxima vez no Mar entrar, vai lembrar-se deste que tanto ama aquele que quis levá-la para si. Teve escolha em não ir e não foi.
Preferiu de certa forma ficar com os que agem assim como as ondas, apagando rapidamente as Marcas que tenta deixar. Não deve esquecer essa máxima: Gente não deixa marcas, deixa cicatrizes.
Catiaho Alc.
Do Livro Reflexo d'Alma/2010/ Revisando meu 1º Livro nesse ano de 2015
Domingo, 31/01/015