quarta-feira, 25 de outubro de 2017

Depois do tempo pro gozo; as vezes calmaria...

Os olhos não se desviam,  até que os corpos num só se fez e
então fechados ficaram por um bom tempo.
Mas as mãos... essas com pressa percorriam tudo, o tempo todo.
O calor dos corpos suados, ainda mais excitação trazia.
Já os olhos, abertos desejam ver mais que viam.
Uma boca no sexo do outro se ocupando enquanto pleno sentir
 se permitia.
Mais que flutuando; falar não falavam, mas é fato que  gemer  gemiam.
 Num querer tão intenso que depois a posição; quase certo, trocariam.
Ímpeto e volúpia sem pressa...
 Depois do tempo pro gozo; as vezes a calmaria.
CatiahoAlc.
Copyright©contosesócatiahoalc.
3 de jun de 201505:22

quinta-feira, 15 de junho de 2017

Seres Atemporais são Assim...




Seres atemporais
 Namoram a vida toda
Não esperam um dia 
pra seus afetos externar.

Seres atemporais
amam de doer
tanto a mente quanto o coração 
que em paixão se faz arder.

Seres atemporais
se entregam sem limites
Sem fronteiras
e sem promessas.

Seres atemporais são eternos
da mesma forma que fugazes
Namoram sem pedir
Namoram sem medir.

Ser um Ser Atemporal 
É bom assim ser...
Namorar assim é 
pra quem não teme o tal  final...

Sendo assim se pode ser:
Atemporal.
 Imoral.
Até Imortal


quinta-feira, 2 de março de 2017

Estrelas pra iluminar frenéticamente a praia"








"E

um abraço bem apertado.
Um olhar mais que profundo,  que diria tudo que tentava , mas não conseguia expressar.
Em um quase sussurro deixa escapar:
'quero ver você sorrir com os olhos' "
Essa cena em forma de frase fora o suficiente para que o sonhar se descortinasse em um turbilhão de emoções que o pensamento não cabia mais dentro da mente.
Buscava razão para tal despertar naquele outro que apenas passava pelo caminho e
descuidadamente se cruzaram.
O olhar trocado foi de um 'que' de eternidade, tiveram que passar tão próximos um do outro que o vento cúmplice do destino fez com que sentissem o cheiro um do outro,
não do perfume,
mas da essência de cada um.
Momento quase epifânico...
provocou um encontrão, a carteira de cigarros foi ao chão, de alguma forma alguns saltaram
 perdendo-se.
Se ela mal sabia o que dizer tentando esconder o olhar que a denunciava.
Ele por sua vez, prestava bem atenção.
Fora sem dúvida o culpado pelo acidente. 
Enquanto ela se refazia, um vento chegando não se sabe de onde, desses que do nada formam redemoinho.Pois veio enquanto ele abaixado tentava recolher a carteira de cigarros, 
tentava é verdade mas sem tirar os olhos um só instante  dela. Exatamente nesse momento, sem pensar muito diz de uma só vez:
"Um olhar mais que profundo, que diria tudo que tentava , mas não conseguia expressar.
Em um quase sussurro deixa escapar
"Quero ver você sorrir com os olhos".
Foi nesse exato momento que o vento redemoinho vindo de surpresa  levanta de uma vez e de todo a saia rodada que cobria seus segredos mais bem guardados.
A saia cobre o rosto, mas descobre a face oculta até então.
Ele,  com um sorriso de felicidade inegável, nem se move mas balbucia..."A lua como plano de fundo e as estrelas pra iluminar feéricamente o abraço apertado."
A sai volta para seu lugar.
Ela, com a face em fogo, ajeita os cabelos, morde os lábios, respira fundo.
Nesse momento ele teme, não sabe o que mas teme. Agitado pega o maço de cigarros e estende...
ela pega não o maço,
mas a mas mão estendida,  surpreendendo diz:
Vem, vamos fumar longe daqui enquanto me fala o restante de seus versos.
Ainda com a visão do paraíso eternizada em si...
não exita, 
segura a mão estendia 
e se deixa conduzir.
Mas ela ainda diz antes de seguirem adiante:
 Repete por favor?
Ele quase como se aguardasse diz:

"A lua como plano de fundo e as estrelas pra iluminar feéricamente a praia.
Em um abraço bem apertado.
Um olhar mais que profundo, que diria tudo que tentava, mas não conseguia expressar.
"Quero vê-la sorrir com os olhos."
Ela sorri não somente com os olhos que para ele reluzem como as estrelas;
mas também com alma que nesse momento se mostra transparente feito cristal...
Ela satisfeita diz: Agora sim, vamos.
E simplesmente vão 
sorridentes.
Catiaho Reflexo d'Alma entre sonhos e delírios 01.25 de 17 de novembro de 2010
17 de nov de 2010